quarta-feira, 30 de junho de 2010

Morte causada pela PM cresce 57% em São Paulo

Os casos das chamadas "resistências seguidas de morte", ocorrências em que policiais cometem homicídios depois de supostos confrontos com as vítimas, cresceram em todos os meses desde março deste ano, quando o secretário de Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, assumiu o cargo. Nos oito primeiros meses da atual gestão, o total de mortes por supostas resistências contra policiais militares foi de 378 - valor 57% maior do que o verificado no mesmo período do ano passado. Nos dois primeiros meses do ano, quando o secretário ainda era o advogado criminalista Ronaldo Marzagão, o total de mortes foi menor do que o registrado no mesmo período do ano anterior.O total de 499 casos de resistência contabilizados até outubro envolvendo a polícia já é 34% maior do que o dos 12 meses do ano passado (431). Só em outubro foram 60 ocorrências, quase três vezes maior do que o registrado no mesmo mês de 2008 (21). Caso o ritmo seja mantido, depois de dois anos com registros na casa das 430 ocorrências, este ano deve fechar próximo ao total de 576 mortes de 2006, ano que ficou marcado pelo confronto entre a polícia e integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). "O crescimento da letalidade de policiais militares é hoje a principal preocupação da Ouvidoria", afirma o ouvidor da Polícia, Luiz Gonzaga Dantas.Para tentar diminuir esse tipo de ocorrência, a Ouvidoria da Polícia passou a se reunir com dez entidades de direitos humanos para elaborar um plano que ajude a reduzir as mortes praticadas por PMs. Integrantes do grupo acreditam que a indenização e o ressarcimento financeiro dos parentes do morto pode ser uma forma de pressionar o Estado.Eles também pretendem chamar o governo para discutir um novo padrão de registro dos casos de resistência nos boletins de ocorrência (BO). Atualmente, como regra, na hora de preencher o documento, o suposto crime praticado pela vítima (crime contra a administração pública, roubo, entre outros) é priorizado. O homicídio da polícia costuma ser citado quase como uma nota de rodapé. "E é normalmente essa informação do BO dada pelos próprios policiais que embasa todo o processo, o que acaba facilitando o arquivamento dos casos", diz o advogado Renato De Vitto, presidente da Comissão de Justiça e Segurança Pública do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.MORTOS VERSUS FERIDOS Se é impossível negar que o Comando da Polícia Militar de São Paulo vem tomando medidas para tentar diminuir a letalidade nas ruas, também fica claro que o recado tem demorado a chegar ao dia a dia das tropas. O dossiê Mapas do Extermínio: execuções extrajudiciais e mortes pela omissão do Estado de São Paulo, preparado por entidades de direitos humanos, mostrou que entre o ano 2000 e o terceiro trimestre deste ano foram mortos 5.414 civis em supostos confrontos com as polícias, enquanto 4.345 foram feridos. A proporção é de 1,24 morto para cada pessoa ferida. Em Nova York, a relação é de dois feridos para cada morto. Entre 1993 e 2002 morreram 196 pessoas em confronto com a polícia e 390 foram feridas."Esse dado é importante para mostrar como os policiais dão o tiro para matar em vez de imobilizar", afirma a cientista social e coautora do estudo Ângela Maria Mendes de Almeida, que coordena o Observatório das Violências Policiais.Como resultado, ao mesmo tempo em que o Estado comemora uma redução de 70,2% nos casos de assassinatos entre 1999 e o ano passado, a polícia não consegue reduzir os seus índices de letalidade. Isso fez com que a proporção de mortes cometidas pela corporação em relação ao total de homicídios passasse de 3,68% em 2001 para 11,12% este ano. "Nossa referência não pode ser a polícia do Rio, caso único no mundo. A mesma ousadia que levou São Paulo a conseguir reduzir os índices de homicídios deve ser usada para reduzir a letalidade policial", afirma o advogado Denis Mizne, diretor executivo do Sou da Paz. A comunicação da Polícia Militar cita, por meio de nota, diversas iniciativas usadas para diminuir a letalidade: reforço de treinamento e técnicas não letais de enfrentamento; investigação dos casos de resistência pela Corregedoria; submissão da análise psicológica daqueles que se envolvem em tiroteios; investimento em equipamentos não letais, como cassetete, munição de borracha e armas de paralisação por descarga elétrica. "A maioria dos confrontos deriva de abordagens e do acompanhamento nos casos de roubos. Dos que entraram em confronto, 50% foram presos ilesos ou feridos", diz a nota.
 
Bruno Paes Manso 
O Estado de São Paulo

Mortalidade Infantil

Em sete anos 2.800 crianças com menos de um ano morreram no Acre diz o portal  de noticias ac24horas

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Com suspensão de portaria agora detentos podem justificar suas faltas em liberdade

A juíza titular da vara de execuções penais da comarca de Rio Branco Maha Manasfi, suspendeu a portaria que autoriza a prisão imediata dos detentos que não justificasse a falta e com toda razão. Agora eles podem comparecer a vara criminal e apresentar a justificativa para falta e a juíza decide se ele continuara a desfrutar do semiaberto ou voltar ao regime fechado. Antes o detento sem justificativa nenhuma era preso voltava ao regime fechado e aguardava quatro ou cinco meses para justificar a falta, e exatamente dessa audiência era que saia a decisão se o mesmo ficava no semiaberto ou regime fechado.


NOTA DE REPÚDIO

A DIRETORIA DO SINDICATO DOS AGENTES PENITENCIÁRIOS DO ESTADO DO ACRE – SINDAP/AC, no uso de suas atribuições legais, vem, mui respeitosamente, diante da sociedade acriana, REPUDIAR PUBLICAMENTE A ATITUDE ABUSIVA E ILEGAL DO SENHOR LEONARDO DAS NEVES CARVALHO DIRETOR-PRESIDENTE DO IAPEN/AC, POR RETIRAR OS VALORES DO RISCO DE VIDA E ATIVIDADE PENITENCIÁRIA DO SENHOR ADRIANO MARQUES DE ALMEIDA FUNDADOR E PRESIDENTE DO SINDAP/AC.

O direito da licença para mandato classista com remuneração integral é previsto no artigo 139 da Lei Complementar Estadual n. 106, de 21 de janeiro de 2002:

“É assegurado ao servidor o direito de licença para o desempenho do mandato em confederação, federação, associação de classe em âmbito estadual, sindicato representativo de categoria ou entidade fiscalizadora de profissão, com a remuneração do cargo efetivo.” (o negrito é nosso).

Esta Diretoria manifesta seu mais vivo e irrestrito repúdio. Momento mais que oportuno, também, para relembrar a nossa missão: “UNIR PARA FORTALECER!”


Rio Branco – AC, 23 de junho de 2010.


A DIRETORIA

Defensoria Pública entra com pedido de habeas corpus para beneficiar 40 detentos

Durante a participação dos defensores públicos no Mutirão Carcerário foram identificados inúmeros casos de detentos que estão presos, mas que poderiam ser beneficiados por progressão de pena e está em liberdade condicional.

Segundo o defensor-geral Dion Nóbrega Leal, esta semana a Defensoria entra com um único pedido de habeas corpus que deve conceder regime semiaberto para os detentos.

Dion explica que a maior parte dos presos está voltando ao presídio porque apresentam faltas e quando são encontrados pela polícia são encaminhados ao presídio.

"Há casos de detentos que estão no semiaberto e têm trabalho externo, mas porque deixaram de comparecer ao presídio durante um único dia foram punidos sem ter chance de justificar a falta", informa Dion.

O defensor-geral explica que "Quando são presos novamente eles recebem suspensão no trabalho e assim, acabando passando o dia dentro da prisão, ou seja, mesmo que com benefício eles voltam ao cumprir regime fechado, pois só poderiam sair se fosse para trabalhar", detalha.

Para voltar a sair da penitenciária e trabalhar eles precisavam aguardar audiências onde justificariam a falta, mas essas audiências demoram entre quatro a cinco meses para acontecer.

"Por isso, a juíza Maha Manasfi decidiu suspender a portaria que autorizava a prisão imediata de detentos que não justificassem a falta. Agora eles podem comparecer a vara criminal e apresentar a justificativa para falta e a juíza decide se ele continuara a desfrutar do semiaberto ou voltará ao regime fechado", contou Leal.

www.agazeta.net

Lei 12.153/2009 cria Juizados Especiais da Fazenda Pública

A Lei que criou os Juizados Especiais da Fazenda Pública (Lei 12.153/2009), e que entrou em vigor ontem, 23, estabelece prazo de dois anos para que os mesmos sejam instalados nos estados.

Mas o cidadão não precisa esperar tanto tempo para fazer uso da lei, pois a mesma já está valendo e até lá as reclamações poderão ser processadas diretamente nas Varas da Fazenda Pública, conforme determinação da Corregedoria do CNJ.

Preocupada com a situação, eis que as duas Varas da Fazenda Pública da capital não apresentam estrutura suficiente para atendimento das demandas que serão geradas pela nova lei, a Ordem dos Advogados do Brasil irá cobrar do Tribunal de Justiça agilidade na instalação dos juizados.

Os Juizados da Fazenda Pública vão dar maior agilidade ao andamento de causas cíveis contra estados, municípios, autarquias, fundações e empresas públicas a eles vinculadas, e que não ultrapassem 60 salários mínimos.

Os cidadãos poderão recorrer a essas unidades para reclamar judicialmente contra instituições municipais e estaduais, por exemplo, por danos morais ou materiais, por falta de medicamentos, vagas em escolas, hospitais ou creches. Também poderão questionar multas de trânsito, lançamentos tributários, violação de posturas administrativas, pedir ressarcimento por danos nos automóveis causados por problemas nas ruas, entre outros.

ac24horas

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Medicos que atuam no interior sem CRM são suspensos pela justiça federal

Num e preciso ser muito inteligente para saber que um medico no brasil ou em um país serio pelo menos não pode atuar sem CRM.
O governo do estado do Acre entende ao contrario, sendo que cabe o próprio estado levar uma saúde de qualidade aos municípios e isso independe das condições.
A justiça federal acatou o pedido do Conselho Nacional de Medicina e suspendeu o trabalho dos médicos que atuam sem CRM no interior do estado. E deu um prazo de trinta dias para os médicos que atuam sem CRM sejam regularizados junto ao conselho regional de medicina. Na decisão o magistrado diz que submeter a população a profissionais sem as qualificações minimas viola o direito do estado, diz também que as exigências do registro desses profissionais não se configura em mera formalidade, que a falta de qualidade no serviço de saúde só tende a aumentar com a falta de profissionais sem qualificação comprovada.

E claro e evidente para toda população acriana, que o governo do estado tem sim como levar profissionais qualificados e com registro para o interior do estado, a questão e que muitos não querem ir pelo preço que o governo ou as prefeituras acham que devem pagar.

A sucursal do inferno

Blogueiro compara a fila de espera da fundação hospitalar do acre com a sucursal do inferno depois de esperar duas horas para fazer um cadastro para obter um cartão. Posso afirmar que estive na sucursal do inferno, disse o blogueiro indignado.




Falando ainda de saúde dificilmente si acha uma unidade de saúde que num tenha nada quebrado, e um monte de gente esperando em uma fila para atendimento. Isso aqui na capital que ainda por cima recebe pacientes do interior do estado que chegam aqui em Rio Branco encontram a mesma realidade. no lasem por exemplo, por incrível que pareça demora-se uma tarde inteira para um usuário qualquer pegar um exame. imagina só pra fazer um exame como será.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Policiais do caso Edna Ambrósio são ouvidos pela justiça

O Juiz titular do tribunal do juri Leandro Leri Gross vai ouvir hoje os policiais acusados de matar com um tiro de fuzil, Edna Ambrósio Rego 22 anos. Edna estava na garupa da moto do namorado quando o mesmo furou o bloqueio de uma blitz da Policia Militar. Os disparos feito pelos policiais, Francisco Moreira e Moises da Silva, atravessou o corpo da garota e atingiu também o corpo do seu namorado Jeremias de Souza Cavalcante 21 anos, que pilotava a moto no momento do ocorrido. Jeremias diz que não parou a moto na blitz pelo fato de ter ficado assustado pois tinha dado conta que se tratava de uma barreira policial já em cima pois a barreira policial estava em um local escuro e os mesmo não davam a sinalização devida do que estava acontecendo no local. Os policiais envolvidos no caso também serão ouvidos além dos policiais acusados de fazerem os disparos que tirou a vida da jovem Edna Ambrósio, sendo que um dos disparos feito de um fuzil. Só depois de ouvir os policiais o juiz vai decidir si faz a reconstituição da blitz que resultou na morte da estudante. Os policiais acusados dizem que não tinham a intenção matar pois teriam feito os disparos para o chão.

Jocivan Santos

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Juiz do Conselho Nacional de Justiça diz que irregularidades em presidios do Acre

Superlotação e irregularidades no cumprimento da pena foram os principais problemas encontrados pelo juiz auxiliar da presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Luciano Losekann, na visita ao Complexo Penitenciário Estadual Francisco de Oliveira Conde, em Rio Branco, no Acre, ontem (10). “É uma situação dolorosa, semelhante a que encontramos em quase todas as penitenciárias do país”, disse o juiz citando casos de presos doentes misturados com sadios, detentos que deveriam estar no regime semi-aberto e descumpriram uma regra mínima nesse regime e, por isso, estão há muito tempo segregados no regime fechado.

“Vamos tentar reverter esse quadro. Queremos, pelo menos, revisar a situação dos presos nos regimes semiabertos, entre outras providências mais urgentes”, completou Losekann, que participou na quarta-feira (09) da abertura do Mutirão Carcerário do Acre.

Durante todo o dia, ele e a juíza Celma dos Santos, responsável designada pelo CNJ por essa etapa do projeto, colheram depoimentos de presos, além de ouvir diretores e funcionários sobre as condições operacionais e de atendimento aos apenados. “Aqui existem 677 vagas, mas estão abrigadas hoje 2.180 pessoas, entre homens e mulheres, 322% a mais do que a capacidade. É um número muito grande, assustador.”

Com o mutirão carcerário, que já foi realizado em várias unidades da Federação visando dar celeridade a processos e inquéritos de presos provisórios e condenados, o CNJ quer estimular o Poder Judiciário dos estados a rever sua política de encarceramento, “em particular em relação aos presos dos regimes semi-aberto e aberto, especialmente aqueles que já estão no regime semi-aberto e não têm carta de emprego”.

A manutenção desses apenados no regime fechado faz com que eles cumpram toda a sua pena nessa condição e só saiam efetivamente no aberto, “o que é irregular”, afirmou Losekann, que é o coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerá­rio e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF) do CNJ. O Acre tem hoje a maior taxa de encarceramento de presos provisórios do Brasil, cerca de 50%, contra uma média nacional de 44%.

Mesmo com muitos anos de experiência atuando nessa área, Losekann disse ter se chocado com algumas situações que encontrou. Ele citou a de um preso com hanseníase, uma doença altamente contagiosa, dividindo a minúscula cela com sete detentos sadios. “Ele teria que estar isolado. E o problema da superlotação vai continuar se persistir essa mesma sistemática de encarceramento que vem sendo adotada atualmente em vários estados”, concluiu.

(Agência CNJ de Notícias)

quinta-feira, 10 de junho de 2010

IAPEN/AC não paga reeducandos que trabalham na penal

ASSOCIAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS DOS FAMILIARES DE REEDUCANDOS DO ESTADO ACRE, QUER SABER PARA ONDE ESTA INDO O DINHEIRO DESTINADO PELO MINISTÉRIO DO ESPORTE PARA PAGAMENTO DE PRESOS DE BOM CONPORTAMENTO QUE TRABALHAM NA COZINHA E NA FABRICA DE BOLA DA PENITENCIARIA Dr. FRANCISCO DE OLIVEIRA CONDE. POIS OS FAMILIARES DOS MESMO RECLAMÃO QUE OS PRESOS NÃO ESTÃO RECEBENDO O DINHEIRO A MAIS DE OITO MESÉS, OUTROS QUE NUNCA VIRAM AO COR DO DINHEIRO. E OUTROS QUE RECEBEM ABAIXO DO VALOR RECUMENDADO PELO PROPRIO MINISTERIO OU A JUSTIÇA. A ENTIDADE SUSPEITA QUE ALGUEM POSSA ESTA GANHANDO, OU SE FAVORECENDO PESSOALMENTE DA POPULAÇÃO CARCERARIA PELO FATO DE ESTAREM PRESOS. FATOS ESSES QUE PODEM ESTA OCORRENDO DESDE DO INICIO DO ANO PASSADO. A ASSOCIAÇÃO QUE E REPRESENTATIVA DAS FAMILIAS DE REEDUCANDOS PROTOCOLOU DENUNCIA NESTA QUINTA FEIRA AO MINISTERIO PUBLICO FEDERAL, JA QUE SE TRATA DE VERBA FEDERAL.


_______________________________________________________



ASSOCIAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS DOS FAMILIARES, AMIGOS E REEDUCANDOS DO ESTADO DO ACRE.



OF.29/2010 Rio Branco – Acre 10/06/2010



Vimos por meio deste, solicitar ao Ministério Publico Federal providencias para as denuncias relacionadas a possíveis desvios de verbas do Ministério do Esporte destinada ao Instituto de Administração Penitenciaria do Acre. IAPEN/ACRE. Para pagamentos de presidiários que trabalham na Fabrica de Bola e também na Cozinha da Penitenciaria Dr. Francisco Oliveira Conde. Como relata o texto anexo.



Jocivan Santos

Presidente


________________________


ASSOCIAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS DOS FAMILIARES, AMIGOS E REEDUCANDOS DO ESTADO DO ACRE

Vimos por meio deste, solicitar ao Ministério Publico Federal providencias para as denuncias relacionadas a possíveis desvios de verbas do Ministério do Esporte destinados ao Instituto de Administração Penitenciaria do Acre. IAPEN/ACRE, para pagamentos de presidiários que trabalham na fabrica de bola da Penitenciaria Dr. Francisco Oliveira Conde. Sendo que os mesmos estão a oito meses sem receber como também os Reeducandos que trabalhão na cozinha da referida penitenciaria mais que também se encontram a Cinco Meses sem receber. Comunicamos também a este conceituado órgão a denuncia de que, a Presidiários que sempre trabalharam tanto na cozinha como também na fabrica de bolas da penitenciaria acima citada há muito tempo inclusive a anos, mais que nunca receberam pagamento nenhum. Sendo que o ministério do esporte faz o repasse em dia para o Instituto de Administração penitenciaria do Acre. IAPEN/ACRE. Que segundo denuncia de muitos familiares e também de reeducandos de bom comportamento que trabalham na penitenciaria o valor pago pelo IAPEN aos trabalhadores não e o mesmo recomendado pelo Ministério do Esporte. Comunicamos também ao Ministério Publico Federal que tal atitude do IAPEN/AC no atraso do pagamento e também no pagamento abaixo do valor recomendado pelo Ministério do Esporte aos reeducandos ou até mesmo a justiça trabalhista, e uma pratica que vem acontecendo desde do inicio do ano de 2009. Data esta que temos conhecimento. Que em novembro do ano passado fomos procurado por um grupo de 12 pessoas do regime semiaberto os mesmo reivindicavam seus pagamentos pois já estavam a 5 meses sem receber dinheiro nenhum e os diretores da penitenciaria ameaçava não fazer pagamento algum e ameaçava os mesmo. Vimos também comunicar ao Ministério Publico Federal das represálias sofridas pelos reeducandos da referida penitenciaria que ousaram ou que ousam questionar tal atitude no atraso de pagamento cometido pelos diretores do IAPEN/AC, sendo que os mesmo são levados para o corretivo, são agredidos verbalmente com palavrões, ameaçados, agredidos fisicamente, seus relatórios são postos em atraso. E até mesmo, seus familiares impedidos de fazerem visitas com ameaças de serem apreendidas suas carteiras. Para não mais irem à penitenciaria.




Jocivan Santos

Presidente

quarta-feira, 9 de junho de 2010

O PASSADO CONDENA

O governador Binho Marques (PT) deveria ser mais habilidoso ao fazer análises políticas. Disse nesta terça-feira (8), durante uma solenidade com a presença de desembargadores, que as instituições não funcionavam, sobretudo de justiça e segurança, antes do PT assumir o governo do Acre há 12 anos.

Foi constrangedora a declaração e algumas pessoas se entreolharam porque estava ao lado do governador o desembargador Samoel Evangelista, ex-procurador de Justiça e ex-secretário de Segurança Pública do governo Orleir Cameli.

Após condenar o passado acreano, Binho Marques disse que agora todos os cargos no governo estão ocupados por "homens de bem".

Bem, do tal tempo em que as instituições, na avaliação do governador, não funcionavam no Acre, já tivemos ou ainda temos no governo: José Bestene, Jorge Viana, Mâncio Cordeiro, Dion Nóbrega, Gilberto Siqueira… Ia esquecendo do prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim (PT). Tem muito mais gente, né?

O discurso ficou velho. Tão velho quanto a soberba.


Blog do Altino machado

terça-feira, 8 de junho de 2010

Fui Assaltado dentro de uma farmácia do centro de Rio Branco

Na quinta feira passada "feriado" era umas 20:00 ao me dirigir a uma farmácia no centro da cidade de Rio Branco próximo ao terminal urbano da capital, fui vitima de uma ação inesperada e de muito pavor naquele local. Ao me dirigir ao balcão da farmácia quando ainda era atendido pelo balconista da loja, ao olhar para trás via um rapaz de capacete com uma arma apontada para minha cabeça, que em certo momento apontava também para o atendente da loja. Logo percebi que estava sendo vitima de um assalto a mão armada mais tudo aconteceu muito rápido. Em seguida o assaltante mandou que todos fossem para o lado de dentro do balcão e ficasse deitados e não reagisse isso com uma arma apontada em nossa direção. Um momento de muito medo foi esse porque sinceramente não saberia si sairia vivo ou morto daquela situação. Em seguida um outro assaltante que estava na porta da farmácia agredia um outro rapaz e pegava seus pertences pessoais. O outro rapaz que me rendeu juntamente como outras pessoas no interior da farmácia foi em direção ao caixa da loja pegou todo dinheiro que vindo novamente em nossa direção saiu pegando nossos pertences pessoais, como também de outras pessoas que estavam no local e que foram rendidas também pelos marginais. No momento dessa ação dos bandidos estavam aproximadamente umas 13 a 15 pessoas no interior da farmácia entre elas adultos, jovens, adolescentes, mais isso também não intimidou ação dos bandidos, mais para mim foi um tipo de coisa inesperada covarde que deixa sequelas emocionais muito grande a pessoas com menos estruturas emocionais e psicológicas também. Os assaltantes levaram celulares, câmeras digitais, e uma quantidade pequena de dinheiro da caixa da farmácia. Ao sair da farmácia em disparada em sentido contrario na Avenida Ceará passaram em um posto de gasolina que fica próximo e também renderam os frentistas dos posto e levaram todo o dinheiro. E bem frequentada a farmácia em que fui assaltado juntamente com outras pessoas no centro de Rio Branco, outro dia vi um promotor de justiça la, advogados, doutores e outras pessoas ilustres da sociedade Acreana, e jamais pensei que uma situação dessas poderia acontecer logo ali. O que só me faz reforçar o mesmo pensamento de antes a de que em nenhum lugar mais estamos seguros nem mesmo em casa.


JOCIVAN SANTOS

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Depois de Polemica na Aleac, Deputado Governista afima que reunião irá acontencer mesmo assim.

Conversei hoje o Deputado Estadual Walter Prado que e o Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa. O mesmo me garantiu outra vez apesar da pelêmica causada na sessão de ontem entre os deputados governista e de oposição, que a reunião entre os diretores do sistema penitenciário, a Associação dos Familiares Amigos e Reeducandos do Estado do Acre, Secretaria de Direitos Humanos, e conselho penitenciário, ira acontecer sim. Segundo o deputado a reunião não foi cancelada apenas adiada para uma data não marcada ainda, já que nesta data algumas pessoas convidadas que são indispensáveis na reunião não poderiam comparecer. Como por exemplo o Secretaria de Direitos Humanos Henrique Corinto e Leonardo Carvalho diretor presidente do IAPEN/AC.


Jocivan Santos

terça-feira, 1 de junho de 2010

O Ministério Público quer ouvir você


O Ministério Publico do Estado do Acre convida toda sociedade acreana para uma audiência publica que será realizada no dia 11/06/ do corrente ano no auditório da FIEAC as 8h, e dia 14/06 também as 8h no teatro dos Nauás em Cruzeiro do Sul. O objetivo da instituição e ouvir a sociedade para dentro dessas demandas vindas da comunidade como sugestões criticas, e outras questões a serem ouvidas dentro da audiência de planejamento de Gestão Estratégica do Ministério Publico.

Informações

www.mp.ac.gov.br

(68)3212 2045

Deputada Federal Perpetua Almeida fala para movimento grevista no terminal urbano




Hoje pela manhã a Deputada Federal Perpetua Almeida esteve no terminal urbano da capital, ela vem tentando arrumar um jeito para esse impasse entre as empresas de transportes coletivo e o sindicato dos cobradores e motoristas de ónibus que estão a nove dias em greve. Os trabalhadores do setor acusa as empresas de não descerem para negociar com a categoria, pelo outro lado as empresas acusa os trabalhadores de serem radicais na greve e não estarem cumprindo a lei em que prever 70% dos coletivos funcionando nos horários de pico e 60% em outros horários. Segundo a deputada federal ela vem tentando intermediar essa questão para que haja um fim da greve o mais rápido possível pois a população e quem esta sendo muito prejudicada nesse momento. A deputada também esteve reunida com a procuradora do trabalhado e expôs algumas reivindicações da categoria, mais o motivo maior da sua ida ao ministério publico do trabalho foi para interceder junto a justiça para que os empresários voltasse a negociar ja que não estava havendo nenhuma negociação entre empresários e o sindicato. A deputada em sua fala para os trabalhadores do setor trouxe boas noticias para o movimento grevista, disse que a procuradora do trabalho garantiu que na quarta feira dia (02) a juíza regional do trabalho que cuida do processo que envolve as empresas e o sindicato nessa questão vai vir ao Acre onde a mesma vai abrir uma rodada de negociação entre as empresas de transporte coletivo e trabalhadores, onde será definido os rumos ou até mesmo um fim para essa questão. A deputada ja de ante-mão lembrou que em uma rodada de negociação cada lado perdi e ganha um pouco si não, não e negociação. Mais cada lado tem que ceder um pouco para ganhar do outro, ja que nem todas as reivindicações dos trabalhadores podem ser atendidas pelos empresariso no momento, como também as condições impostas pelos empresarios a os trabalhadores, mais que e preciso haver um entendimento de anbos os lados disse a deputada.



Jocivan Santos