sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Subtenente mata sargento com tiros nas costas dentro do Comando Geral da Policia Militar do Acre




Um subtenente da Polícia Militar matou o colega de farda na tarde desta quinta-feira (24) dentro do Comando da Polícia Militar do Acre. O motivo do homicídio, segundo a Assessoria da PM, teria sido motivo banal, mas não informou maiores detalhes. Os dois estavam à serviço no momento do crime. Uma nota será divulgada pelo comando nas próximas horas.

Segundo informações preliminares, o subtenente Adelmo matou com um tiro o sargento identificado como Paulo Andrade.
Uma viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionada, mas a vítima já estava morta.

Comandante-geral da PM diz subtenente pode ser expulso da corporação

O comandante-geral da Polícia Militar do Acre, Júlio César se pronunciou sobre o homicídio registrado na noite desta quinta-feira (24) dentro das dependências do quartel, onde um subtenente matou um sargento a tiros.
O sargento Paulo Andrade, de 44 anos, foi morto com um tiro nas costas. Segundo o comandante-geral, o sargento e subtenente discutiram após o sargento chamar a atenção do subtenente José Adelmo Alves dos Santos, de 49 anos, por suposto atraso no horário de serviço.
“O subtenente Adelmo foi chamado atenção na falta de serviço e reagiu de forma desproporcional disparando contra o sargento Paulo Andrade. É um crime duramente militar. Todas as providências foram tomadas, o local foi isolado e o subtenente foi detido. Ele encontra-se em uma unidade militar à disposição da justiça”, disse o comandante-geral.
O comandante comentou ainda que situação igual a esta ocorreu em 1996 quando um policial disparou contra um colega dentro do quartel. Ele acrescentou também que o autor do disparo pode ser expulso da corporação e pode pegar 30 anos de prisão.
O sargento Paulo Andrade tinha mais de 20 anos no exercício militar. Já o subtenente Adelmo tem mais de 30 anos na profissão militar. Ele era da reserva militar, mas havia sido convocado recentemente para reforçar a segurança na capital após a onda de ataques por parte de facções criminosas que ocorreu no segundo semestre deste ano em cidades do estado. Ele, até então, fazia segurança na Organização das Centrais de Atendimento (OCA), na área central de Rio Branco. Todos os exames psicológicos e físicos antes de retornar da reserva indicaram boas condições em Adelmo, segundo Julio Cesar.
Uma viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionada, mas a vítima já estava morta.

ac24horas

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

MULHER SONHA ENCONTRAR PARENTES, QUE NUNCA VIU, POR PARTE DE SEU PAI.


A Francisca Souza, 23 anos, natural de Taraucá - AC, diz que não conhece nem um de seus parentes por parte de seu pai, o senhor Luiz Maciel de Souza, já falecido, morava no município de Jordão, mais conhecido como Luiz Barata. Ela pede ajuda a imprensa, jornalistas e internautas, se caso alguém conhecer algum parente por parte de seu pai, fazer contato pelo numero (68) 99600 5049. 

Francisca, diz que já ouviu boatos que tem irmãos por parte de seu pai, mais não tem certeza. "Olha eu nunca conheci nenhum parente por parte de meu pai, ja tenho 23 anos, e nunca conheci se quer um primo, nada, só conheço meus parentes por parte de mãe. Meu sonho é conhecer, irmãos, primos, tios por parte de meu pai", diz Francisca. 

Segundo Francisca, seu pai era natural de Belém mais como veio morar em Tarauacá, tirou seus documentos como natural de Tarauacá. Ela pede caso alguém conheça algum parente do senhor Luiz Maciel de Souza, conhecido como Luiz Barata, fazer contato com o numero deixado a cima.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

No AC, menina de 6 anos morre ao ser atropelada e família denuncia Saúde

Lais Alves Silvino morreu na noite deste sábado (12), no Jordão. Boletim foi registrado na PM; TFD não teria mandado avião para pegar Lais.






A pequena Lais Alves Silvino da Silva, de 6 anos, morreu após ser atropelada por uma motocicleta, na tarde deste sábado (12), na rua Francisco Dias no município do Jordão, interior do Acre.
O comandante da Polícia Militar na cidade, Raimundo Fortunato, afirmou que a família da menina registrou um boletim de ocorrência contra o Estado, pois o Tratamento Fora de Domicílio (TFD) teria se recusado a enviar um avião para levar a criança até Rio Branco.
Ao G1, o gerente-geral do TFD no Acre, Kennedy Moreira, informou que não tinha ciência sobre o caso e que não poderia dar informações.
A reportagem também entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio da assessoria de imprensa, mas até a publicação desta reportagem não obteve retorno. 
O acidente ocorreu por volta das 15h. De acordo com o comandante, a motocicleta seguia sentido centro/bairro, quando a criança saiu de trás de um caminhão para atravessar a rua. Ao ver a menina, o motociclista não teve tempo de parar. Lais foi socorrida e levada para o hospital da cidade.
Fortunato afirma que foi solicitado o TFD para fazer o transporte da criança para a capital acreana, Rio Branco, mas às 17h, a família foi informada de que não seria possível enviar o avião para buscar Lais por conta do horário e que tentassem pela manhã deste domingo (13).
Como em Jordão só é possível fazer o deslocamento para a capital por meio aéreo, Lais não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 21h no hospital da cidade, antes de conseguir ser transferida para Rio Branco.
"Foi feito toda uma mobilização para a questão do TFD liberar um avião para buscar essa criança, porque precisava ir para Rio Branco, já que o Jordão não disponibiliza de material suficiente para entubar e fazer outros atendimentos. Mas, por conta do horário disseram que não dava mais. No hospital do Jordão, foram feitos todos os procedimentos que poderiam ser feitos aqui", diz o comandante.


G1/AC