segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Familiares denunciam sequestro de brasileiro por policiais bolivianos na fronteira do Acre


Familiares do acreano Sebastião Nogueira do Nascimento (33), estão tentando descobrir desde a noite deste sábado, dia 11, o motivo pelo qual policiais bolivianos ligados à Força Especial de Luta Contra o Crime (FELCC), foram até a casa localizada no lado brasileiro durante a noite, e o levaram por volta das 21h40.
O caso foi presenciado pelo pai de Sebastião, senhor Lau Chaves do Nascimento (72), que conta do susto que levou. “Nos estávamos deitados quando eles chegaram e bateram na porta e quando abri, eles foram entrando e foram logo para o quarto do meu filho que estava deitado. Não falaram e não apresentaram nada e foram logo algemando e quando tentei fazer alguma coisa, eles me agrediram ferindo minha mão e deram dois tiros”, conta.


Depois que invadiram a casa do Seu Leu, conta ainda que essa não seria a primeira vez em que teriam ido até o Bairro. “Não é a primeira vez que isso acontece por aqui. Aqui está cheio de boliviano morando. Toda hora é policial andando armado por aqui atrás de alguém”, denuncia uma moradora que pediu para não ser identificada por medo de represália.
O bairro onde fica localizada a casa, é o José Hassem, que faz a divisa com os dois países pelo Igarapé Bahia e não tem qualquer meio que impeça qualquer pessoa de entrar e sair sem ser incomodado, que ajuda o tráfico de drogas e faz imperar a lei do silêncio.

Cerca de 32 horas após levarem o brasileiro, a equipe de imprensa conseguiu registrar a chegada de Sebastiao no prédio da FELCC, após ter sido levado para interrogatório em outro lugar. O mesmo ainda estava com a mesma roupa e estaria numa sala onde sequer dá para deitar.
Nem mesmo com a chegada de um advogado, senhor Herbam Ricardo E. Rivero, se pode saber o motivo pelo qual Sebastião foi preso e levado para o lado boliviano. Em conversa com um agente federal na delegacia em Epitaciolândia, a PF sequer foi avisada do caso.
De primeira vista, os policiais (se for), cometeram ao menos, três violações; invasão e realização de operação em território estrangeiro, porte ilegal de armas e sequestro de pessoas. O que deveriam ter feito, caso exista, terem entregado o inquérito policial às autoridades do Brasil, para em seguida, um juiz determinasse que o brasileiro fosse preso e respondesse em seu país.

Foi mostrado pelos familiares, um documento onde mostra que Sebastião não possui antecedente criminal no lado brasileiro. Já do lado boliviano, até o momento nada foi divulgado para que levasse a Justiça mandar prender o brasileiro.
As autoridades da FELCC foram procuradas, mas, somente por volta das 16 horas poderiam receber a imprensa e até mesmo o advogado. Nenhum policial pôde informar o motivo pelo qual Sebastião foi preso pelos agentes da corporação em solo estrangeiro.
O caso foi registrado na delegacia de Epitaciolândia e seria comunicado na PF e Consulado Boliviano no Brasil. “Meu filho está sendo acusado de algo que não sabemos. Quero respostas deles. Sebastião está sendo maltratado e sequer retiram as algemas deles para comer dentro de uma pequena sala. Estou sem dormir direito desde sábado quando fui avisada na colônia do ocorrido”, disse Dona Francisca Nogueira da Silva (60).
Segundo foi informado pelos familiares, estão receosos de que Sebastião seja julgado e condenado sumariamente como o caso de Ítalo, e seja enviado para o presídio de San Pedro de Chanchocoro, na região de La Paz, considerado o terror para os condenados na Bolívia.
Foi informado pelos familiares que, caso as autoridades não tomem providencias sobre o caso, irão se organizar para fechar pontes na fronteira como forma de denunciar as truculências da policia boliviana no lado brasileiro, sem que ninguém tome providencias e este não seria o primeiro caso registrado.

oaltoacre